News
O Que O Lixo E O Divórcio Falam Sobre a Economia - arhelger O Que O Lixo E O Divórcio Falam Sobre a Economia

arhelger — O Que O Lixo E O Divórcio Falam Sobre a Economia


Quanto Ganha Um Blogueiro


SIGA O IGIRL NO TWITTER! A posição de Demi e Miley sobre os padrões de graça é bem-vinda numa idade em que o comum é deixar que a autocrítica excessiva predomine. “A adolescência é uma fase de alterações físicas e emocionais, e é natural que o jovem sinta um estranhamento em ligação a si mesmo”, diz a psicóloga Bruna Vaz, do centro de psicologia CPPL.


A despeito de este estranhamento seja inconfundível da idade, pode tornar-se um problema no momento em que acontece em exagero. “Quando é uma charada sério o adolescente se afasta da família e dos amigos e se mantém isolado. Impossibilita sair e participar de atividades da escola”, diz Bruna. Estes casos podem evoluir para depressão ou anorexia, como foi o caso de Demi Lovato, e aí é preciso procurar ajuda profissional. No entanto, de modo geral, é possível transformar aquilo que é centro de piada entre os colegas de categoria em particularidade. Basta adotar uma nova apresentação e gerar uma outra imagem de si mesmo.


A paradigma Andrea Boschim passou boa parte da adolescência brigando com a balança e se sentindo “de fora” da turma por ser gordinha. “Eu me cobrava para perder calorias. Na época do colégio fiquei muito apaixonada por um cara e decidi perder peso para fazê-lo se interessar por mim”, conta. “Emagreci doze quilos e, pela viagem de formatura, ele quis continuar comigo. Foi aí que eu percebi que tinha feito um sacrifício muito extenso já que um cara e que aquela não era eu, e não quis saber do garoto”, lembra Andrea.



  • 33: Alguma vez ficou sem gasolina


  • dezoito de Jun


  • Tirando imagens profissionais


  • Dê prioridade aos programas de afiliados




Música clássica bem como é para jovens! Foi nesta data que a padrão percebeu que era divertido ser contrário e começou a aceitar o respectivo corpo humano. “Eu queria ser parecido a toda humanidade e não tinha nenhuma fonte. Não existe uma apresentadora de Tv jovem gordinha, por exemplo. As gordinhas são mais velhas e fazem programas caretas”, queixa-se.


Hoje, ela vive dos trabalhos como padrão plus size, já foi eleita a gordinha mais sexy do Brasil e fez campanhas publicitárias importantes. “Recebo mensagens no Facebook de moças gordinhas que querem ser padrão, ou que começaram a observar pra existência de um jeito distinto quando conheceram minha história.


E essa é a quota mais bom do meu trabalho”, conta Andrea. Atravessar de minoria a fonte não é exclusividade de Andrea. A jornalista e autora do web site "So Shopaholic" Fernanda Alves, de 26 anos, publica os próprios looks no blog e exibe, com orgulho, a cabeleira volumosa e cacheada, que não é sempre que foi portanto. “Comecei a fazer relaxamento no cabelo aos 10 anos. Passei a infância e a adolescência com ele quase liso”, conta.


Pela data, Fernanda encarava a química como um jeito de “domar” as madeixas, e só na idade adulta foi apreender que não precisava disso para ter cabelos bonitos. Depois de deixar claro os cachos naturais no website, ela tornou-se inspiração pra algumas meninas. “Recebo e-mail de leitoras perguntando o que as pessoas irão conversar se deixarem os cabelos ao natural, se irão localizar que estão desarrumadas no local de trabalho. Existe um preconceito, uma ideia de que cabelo crespo é incontrolável”, reconhece. Aceitar uma característica física antes vista como um problema depende de uma dose de autoestima.

© arhelger 03 Jul 2018 11:50 pm